terça-feira, 29 de março de 2011

Cartola - Documento Inédito (29/03/2011)

“Cartola não existiu, foi um sonho que a gente teve”. A frase de Nelson Sargento já é tão batida que parece sobrenome póstumo do Cartola.  Mas se ela é repetida, é porque traduz em poucas palavras o sentimento de tantas e tantas pessoas em relação a Cartola. Ele não era qualquer coisa: poeta de grande inspiração, melodista surpreendente e um homem incrivelmente bom. A vida bateu com força em Cartola, e ele nunca se lamentava, seguia em frente; sua obra extraordinária deu a ele, em vida, um reconhecimento infinitesimalmente menor do que o merecido. Em 72 anos de vida, Cartola compôs mais quinhentas músicas, todas elas verdadeiras obras-primas, que são gravadas, regravadas e cantadas por centenas de intérpretes. “O Sol Nascerá”, por exemplo, feita nos anos 60, já teve mais de seiscentas regravações. O nome dele era Angenor de Oliveira, e nasceu em 1908, no bairro do Catete, no Rio de Janeiro. Aos 8 anos de idade, ele desfilava nos blocos carnavalescos de rua. Aos 11 anos, a família mudou-se para o morro da Mangueira. Ele já trabalhava, como pedreiro, tipógrafo. Foi na obra que ganhou o apelido, porque usava um chapéu côco para não sujar o cabelo de cimento. Perdeu a mãe cedo, e, aos 17 anos, ficou solto no mundo, e caiu na boemia. Então, adoeceu. Quando melhorou, fundou, junto com mais seis companheiros, a Estação Primeira de Mangueira. Nessa época, ele já compunha no violão, e assim foi construindo seu fascinante repertório. Até a década de 1930, Cartola era conhecido apenas no morro da Mangueira. Foi em 1931 que o cantor Mário Reis comprou os direitos de uma música de Cartola, que acabou sendo gravada por Francisco Alves, que, em 1933, gravou mais três músicas de Cartola pela Odeon. Nesse mesmo ano, Carmem Miranda e Silvio Caldas gravaram músicas dele. Em 1940, o maestro Leopold Stokowsky visitou o Brasil com o intuito de registrar coisas representativas da música popular brasileira. Pediu, então, a Heitor Villa-Lobos que indicasse os expoentes da música. Então, a bordo do navio Uruguai, músicos extraordinários, como Pixinguinha, João da Baiana, Donga, Jararaca e Ratinho, Luís Americano e outros, gravaram algumas de suas composições. Cartola gravou “Quem me vê sorrindo”. Ainda na década de 1940, Cartola começou a cantar no rádio, e se apresentava em diversas emissoras. Foi nesse período que Cartola deu uma sumida do mapa, possivelmente por uma paixão desabalada. Para complicar ainda mais, seu nariz piorou. Ele tinha uma rosácea (uma doença que faz uma parte do tecido do nariz crescer, deixando-o deformado, parecendo uma couve-flor). Cartola fez uma cirurgia, que retirou o tecido hipertrofiado e substituiu por um enxerto extraído do pescoço. No pós-operatório, Cartola não poderia beber, fumar e nem tomar sol, e deveria retornar ao médico após quinze dias. E isso foi tudo o que ele não fez, e o resultado foi uma mancha escura no nariz, que virou sua marca. Cartola estava desaparecido, até que Sérgio Porto, o Stanislaw Ponte Preta, encontrou-o lavando carros em uma garagem em Ipanema, de dia, e trabalhando como vigia, de noite. Sérgio Porto conseguiu emprego para Cartola na Rádio Mayrink Veiga e no Jornal Diário Carioca. Ele voltou à Mangueira, em 1961, já morando com a Dona Zica. Essa foi a época do Zicartola, boteco da moda da época, que acolhia entusiasmados jovens de classe-média. Mas, como toda moda, durou pouco, embora tenha sido de grande importância para o samba. No final da década de 60, Cartola integrou o elenco fixo das Noitadas de Samba do Teatro Opinião, que lhe renderam boa projeção. E foi somente em 1974, quando Cartola tinha 66 anos, que ele gravou o primeiro disco, graças à iniciativa do Marcus Pereira (para variar). Ele foi acompanhado por Dino e Meira nos violões de 7 e 6 cordas, Canhoto no cavaquinho, Raul de Barros no trombone, Copinha na flauta e Gilberto, Marçal, Luna e Jorginho na percussão. Cartola gravou cinco LPs. Ele faleceu em 1980, vítima de um câncer. O disco de hoje foi lançado em 1982, pela gravadora Estúdio Eldorado, dirigida por Aluizio Falcão. O lançamento foi um evento concorrido, em que celebridades da música brasileira se amontoaram para ouvir mais um pouquinho de Cartola. Ele tem trechos de uma entrevista dada ao Aluizio Falcão, em que Cartola fala sobre sua vida e obra (ele fala tudo de memória, e erra apenas umas poucas datas). Os andamentos das músicas puxam para o samba-canção, que Cartola declaradamente preferia ao samba. Não dá para indicar as melhores. A melhor é qualquer uma delas. Impossível não se emocionar.


  Lado A

      1- Que sejam benvindos (Cartola)
2- Autonomia (Cartola)
3- Acontece (Cartola)
4- Senões (Cartola e Nuno Veloso)

    Lado B

          1- O inverno do meu tempo (Cartola e Roberto Nascimento)
          2- Que sejas bem feliz (Cartola)
     3- Dê-me graças, senhora (Cartola e Cláudio Jorge)
   4- Quem me vê sorrindo (Cartola e Carlos Cachaça)

Nenhum comentário: