terça-feira, 13 de setembro de 2011

Baden Powell - Marcia - Originais do Samba - Show/Recital (13/09/2011)

Esse disco, em que figura um dos maiores violonistas do Brasil de todos os tempos, foi gravado em 1968. Ele traz as primeiras gravações de músicas que Baden iria tocar e gravar dezenas de vezes ao longo de sua carreira, e que iriam consagrá-lo como menestrel do violão. Baden foi um grande modernizador do violão brasileiro, que, junto com João Gilberto, conformou a bossa-nova. Mas, se João Gilberto foi um grande acompanhador, Baden foi também. Só que Baden foi mais. Ele era um solista espetacular. Era também um violonista perfeito na arte do Choro e de outras músicas tradicionais. Ele não via diferença entre as valsas mais sérias e sisudas, que ele tocava tal e qual Dilermando Reis, o samba mais vagabundo, o choro mais virtuosístico e a bossa-nova mais moderna. Ele fazia tudo com perfeição. Por isso, é considerado um violonista absolutamente completo. Assim, ouvir Baden Powell é sempre uma lição de violão e de música brasileira. Esse disco tem ainda outras surpresas. Ele foi a gravação ao vivo, no Teatro Bela Vista, em São Paulo, de uma apresentação em que estavam Baden Powell e seu quarteto, a cantora Márcia, e a percussão dos Originais do Samba. Então, foi um encontro de grandes músicos. O Quarteto de Baden Powell era formado por ele, no violão, Ernesto Ribeiro Goncalves no baixo, Helio Schiavo na bateria, Alfredo Bessa na percussão e voz e Manoelzinho na flauta. Os Originais do Samba era Bigode (pandeiro), Lelei (tamborim), Rubens (surdo), Chiquinho (agogô), Mussum (reco-reco) e Zeca (cuíca). O lado A é instrumental, e a cantora Márcia aparece no lado B. Ela canta lindamente o famoso Samba da Bênção, de Baden e Vinícius. Também é espetacular, linda, criativa, virtuosística e perfeita a interpretação de Carinhoso, de Pixinguinha e João de Barro, com o Manoelzinho na flauta e Baden no violão. A única coisa que fica a desejar é a qualidade do som, porque a captação ao vivo parece que não foi muito bem feita. Apesar disso, ele é um registro incontestável da genialidade do violonista que levava o público ao delírio. Um crime é gostar de música brasileira e não ouvir esse disco.


Lado A

            01-Vento vadio (Baden Powell)
            02-Marcha escocesa (Baden Powell)  
            03-Carinhoso (Pixinguinha-João de Barro)
            04-Eurídice (Vinícius de Morais)
            05-Berimbau (Baden Powell- Vinícius de Morais)

Lado B

01-Canto  de pedra preta (Baden Powell- Vinícius de Morais)
02- Só por amor (Baden Powell- Vinícius de Morais)
03- Apêlo (Baden Powell- Vinícius de Morais)
04- Samba da bênção (Baden Powell- Vinícius de Morais)

Um comentário:

Diego Lima disse...

Caramba, que blog completo, pirei na postagem do disco dos trapalhões na serra pelada ! Muito bom ! vou adicioná-lo ao meu blog ok ?

Estou iniciando meu blog e se puder ajudar a compartilhar aqui eu agradeço muito.

www.bandolinseafins.blogspot.com

Abraços !