quarta-feira, 20 de abril de 2011

Sivuca - Onça Caetana (20/04/2011)

Sivuca nasceu Severino Dias de Oliveira, no dia 26 de maio de 1930, em Itabaiana, na Paraíba. Sua família era de agricultores e sapateiros, e o garoto começou a tocar sanfona em batizados, festas e feiras, ainda com nove anos de idade.Quando tinha 15 anos, participou do programa de calouros Divertimentos Guararapes, na rádio de mesmo nome, tocando “Tico-tico no fubá”, de Zequinha de Abreu. O maestro Nelson Ferreira gostou do garoto, e o convidou para participar de um programa na Rádio Clube de Pernambuco. Foi lá que ele começou a ser chamado de Sivuca. Alguns anos depois, Sivuca começou a tomar aulas com o Maestro Guerra Peixe, para estudar composição e arranjo. Tocando em Recife,foi visto por Carmélia Alves, que o convidou para gravar em São Paulo. Com 20 anos, em 1950, da parceria de Sivuca com Humberto Teixeira, saiu seu primeiro disco. Nessa época, também, realizou temporadas em São Paulo; ficou pouco tempo em São Paulo, porque em 1955, mudou-se para o Rio de Janeiro. Foi também na década de 1950 que Sivuca embarcou, com o grupo Os Brasileiros, para uma caravana que levou música brasileira para a Europa. O Acervo Origens postou um disco desse grupo, integrado pelos maiores nomes da música brasileira, como Trio Irakitan, Abel Ferreira, Pernambuco, Dimas e Guio de Moraes e o próprio Sivuca. O sanfoneiro, resolveu, então, ir morar em Lisboa. Depois, foi para Paris. Em 1962, inclusive, gravou o disco Rendez-vous a Rio, e venceu o prêmio de melhor músico do ano, concedido pela imprensa francesa. Em 1964, foi morar em Nova Iorque. Sivuca foi casado com a compositora Gloria Gadelha, com quem desenvolveu um vasto trabalho, com destaque para o forró "Feira de Mangaio". Outras parcerias bem-sucedidas foram "João e Maria", com Chico Buarque e "No Tempo dos Quintais" e "Cabelo de Milho", ambas com Paulo Tapajós. Sivuca morreu aos 76 anos, em decorrência de câncer na laringe. O disco da postagem de hoje foi lançado em 1983. Neste trabalho Sivuca conta com os arranjos e a participação de Antonio Adolfo, Reinaldo Arias e Claudio Jorge. No repertório há o belíssimo instrumental , de Reinaldo Arias, "Central do Brasil". Esta música já vale o disco. Mas há outras belas composições, tanto próprias, quanto em parcerias com outros autores.


Lado A

01-Central do Brasil
(Reinaldo Arias)

02-Conto de fadas
(Sivuca-Paulinho Tapajós)

03-Em cada parte, em cada ponte
(Glorinha Gadelha-Afonso Gadelha)

04-Imburana, pau-de-abelha
(Sivuca-Glorinha Gadelha)

05-Subindo ao céu
(Aristides Borges)

 Lado B

01-Onça Caetana...
(Glorinha Gadelha-Afonso Gadelha)

02-Novas canções
(Glorinha Gadelha-Afonso Gadelha)

03-Mistura fina
(Luiz Bandeira)

04-Pro que der e vier
(Sivuca-Paulinho Tapajós)

05-Amigo de fé
(Claudio Jorge-Ivan Wrigg)

Nenhum comentário: