quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

A Cultura da Logomarca e o silêncio dos instrumentos, por Cacai Nunes

Texto: Cacai Nunes

Eis que vivemos na cidade planejada, Capital da Esperança. Criada a partir dos traços do arquiteto e do urbanista. Pura arte ! Como já dizia o poeta: “Gosto tanto dela assim”. Sei não ! De uns tempos pra cá, tenho deixado de gostar tanto da cidade onde fui criado. Cheguei em 84 aos 5 anos de idade e me sinto brasiliense de corpo e alma. Só que a cidade tá explodindo. Carros, muitos carros, falta de educação, expansão desordenada, corrupção descarada (precisava falar??) e outras mazelas tão comuns em outras grandes cidades que, até então, a gente achava que Brasília estaria imune, #sqn. Tanto é que me mudei pro interior de Sobradinho, bem na Casa do Chapéu.
Mas o fato é que, quando a cidade foi concebida, esqueceram de planejar algo inevitável na vida das pessoas: diversão. E o que isso inclui ? Um boa música.
Chegamos ao ponto principal deste texto.   
      Estamos, músicos e profissionais da cultura, sendo excluídos do nosso fazer cotidiano, por conta de proibições que eu chamaria de ridículas, já que estamos numa grande cidade e como toda grande cidade, a música é parte dela. E Brasília é notória por seus artistas que se consagraram com sua música, criada aqui.  E como estes artistas começaram sua carreira ? Na noite, no fazer diário, em rodas de amigos, de choro, de forró, jams de rock e tudo que sempre coube por aqui...Afinal, não somos aquele turbilhão cultural, mistura de todos os Estados e blá blá blá? Mas e cadê a tolerância nessa mistura? Será que ela se perdeu geneticamente? Nem estou falando de uma diversão desregrada, porque também tenho minhas ressalvas (a idade vai chegando, a preguiça aumentando...rs), mas sim de uma participação de uma classe que mobiliza boa parte da população que consome, que faz notícia, que forma opinião e assim, multiplica o (restrito) mercado da capital.

            Aí, chego à uma conclusão, já compartilhada com algumas pessoas mais próximas, que cada vez mais Brasília tem sido a capital da política. Até pra se fazer cultura e/ou música. Ultimamente, os eventos na Esplanada têm sido os mais aclamados. Só se faz cultura na Esplanada. Mas porque só lá ? Certamente pela institucionalização da cultura. A cultura da logomarca. Pra ficar bonitinho pros 3 Poderes. Mas no entanto, a meu ver, os eventos na Esplanada são pouco criativos (salvo raras exceções). Tem quase sempre a mesma estrutura de palco, som (quase sempre alto pra porra), luz, tendas, perfil de público. Parece até que o evento da semana que vem será uma continuação do evento da semana retrasada. E ainda tem a “invasão” da música de fulano do Norte, de beltrano do Nordeste. Tudo isso pode, mas e nós que aqui estamos, pra onde vamos ? Mofar na cidade-planejada-fiscalizada-vigiada, das regras rígidas, bem cumpridas, onde reina a paz e o silêncio dos cemitérios, e nem pássaros, nem cigarras, nem crianças e nem músicos podem brincar, cantar e tocar? Pra sair daqui também tá difícil.
          
            Precisamos repensar modos de fazer, ocupar os pequenos botecos, os parques, a rua, a beira do lago. Mas aí, voltamos à tolerância. Será que o senhor e a senhora podem dar uma brecha pra quem faz e vive de música na capital ? Saia de casa e venha ouvir os acordes dos nossos bandolins, violas, violões, guitarras, os sons dos nossos pandeiros, das baterias e tudo que soa nesse cerrado do céu de nuvens doidas.
Ou será que é necessário sair da capital pra termos o devido reconhecimento ? Eu prefiro acreditar que ainda é possível. Estou exercitando minha tolerância.

Cacai Nunes é violeiro, compositor e pesquisador.

Apresenta o Programa Acervo Origens todo sábado às 19h na Rádio Nacional Brasília FM 96,1 e também coordena o Blog Acervo Origens www.acervoorigens.com

Nenhum comentário: